Maminhas e música revolucionária

Porque se tem andado a falar de revolução iminente e até de uma que já está a acontecer, sugiro também um apontamento musical para inspirar as mentes vanguardistas dos nossos tempos.

Olhai para o que a TV Globo fez em 1992, qual SIC-Bilderberg a passar documentários anti-capitalistas, e aprendei a ilustrar música de intervenção de maneira, diria… Cativante… Erótica… E libertadora!

Sugiro mesmo que, no futuro, se diversifiquem as zonas erógenas a mostrar ao comunicar a revolução – até porque maminhas como estas são bem boas mas já as temos visto desde a revolução francesa. Por isso, sugiro que se diversifiquem também os géneros das pessoas e os tons de pele e os tamanhos e feitios, já agora… Se é para isto entrar no PREC de novo, que desta vez se libertem os corpos, a sensualidade e o amor, caso contrário não será a minha revolução!

“Quem é rico mora na praia mas quem trabalha nem tem onde morar
Quem não chora dorme com fome mas quem tem nome joga prata no ar
O tempo duro no ambiente, o tempo escuro na memória, o tempo é quente

E o dragão é voraz….
Vamos embora de repente, vamos embora sem demora,
Vamos pra frente que pra trás não dá mais
Pra ser feliz num lugar pra sorrir e cantar tanta coisa a gente inventa, mas no dia que a poesia se arrebenta

É que as pedras vão cantar” | Fagner – Pedras Que Cantam

Anúncios

As PIORES coisas para perguntar a um@ vegetarian@

Algumas muito irritantes, outras nem por isso, outras só tontas…

“Mas comes peixe, certo? Peixe não é carne” (especialmente nas variantes atum, porque vem em lata, e bacalhau, porque vem espalmado e salgado, suponho)

“Sentes muito a falta da carne? De certeza que não queres só um bocadinho?”

“Que horror! Então e onde encontras proteína?”

“És vegetariano só por razões de saúde, ou gostas mesmo muito de animais, ou algo assim?”

“Ah, então comes só a salada, não é?”

“Mas comes ovos? E batatas fritas?”

“Se estivesses numa ilha deserta onde a única coisa que existisse fossem bifes (!?!?), não comias?”

“Comias bacon se te desse 100€?”

“Não sabes que Deus pôs os animais na Terra para serem comidos? Ser vegetarianx é pecado!”

“Mas afinal o que é que tu comes? Só bróculos?”

“És um bocado freak, não és?”

(adaptação deste texto)